sexta-feira, 12 de julho de 2013

TO MORRENDO DE VONTADE DE VIVER!



Tenho problemas em ouvir o termo “Vamos Evangelizar”, sempre nos remete a pregar para “Descrentes”, enquanto todos nos convertidos ou não precisamos de ouvir o Evangelho de Deus, nossa “Agua viva” (Jo 4:14), que nos mantem de pé, firmes e inabaláveis.

Aproveitando o ficar de pé, nos leva ao nosso ponto:

O que Paulo quer dizer com “E vos vivificou, estando vós mortos em ofensas e pecados, Efésios 2:1-2”?

Talvez tenhamos perdido de vista o evangelho da Graça, e pintamos um Cristo distorcido que lembra de longe o que descreve a Bíblia. É como o repórter que pediu para o grafiteiro pintar o “jesus” que ele conhecia, pintou de um jeito, veio outro e quis corrigir, após feito, veio o terceiro e disse “é evidente que jesus não é assim”, e fez a sua correção....Após um dia de pintura, o resultado se parece com a realidade de nossas igrejas: uma imagem de um jesus distorcido, bem diferente do que as sagradas escrituras nos revelam.

A epístola de Hebreus diz assim:

Hebreus 2:3. Como escaparemos nós, se não atentarmos para uma TÃO GRANDE SALVAÇÃO, a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram; 

Tão grande salvação” só é destacada se reconhecemos de verdade o exato termo de “TÃO GRANDE PERDIÇÃO.”

Afinal o que significa, “Mortos em nossas ofensas e pecados”?

Os reformados costumam usar o termo “TOTAL DEPRAVAÇÃO”, para aqueles que ainda não provaram os poderes do mundo vindouro (Heb 6:5), estando num estado inerte em relação a busca por sua salvação (Rom 3:11), ou ainda inerte e realmente IMPOSSIBILITADO de voltar a vida!

Afinal, quem já foi a um velório sabe que no caixão, o defunto não pode sair daquela condição, não pode ouvir os hinos fúnebres cantados e então voltar a viver, ou simplesmente se comover com as palavras do Pastor durante o enterro e no meio do sepultamento dizer: “Ei! Pera ai, eu me comovi com a pregação, com os louvores e decidi voltar a viver”!

Não parece com a realidade dos enterros “tradicionais”. De verdade respondamos, um morto pode voltar a viver?

Ou ainda uma pergunta ainda mais oportuna que todo mundo naturalmente faria num velório, já que estamos falando de mortos. Como este senhor(a), veio a falecer?

A resposta é clara e evidente.

Primeiro a ser morto na história da humanidade foram Adão e Eva. Veja os fatos (quase um programa do Datena):

“E ordenou o SENHOR Deus ao homem, dizendo: De toda a árvore do jardim comerás livremente, Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás. Gênesis 2:16-17”

E assim posteriormente em transgressão a lei de Deus, que é naturalmente o primeiro pecado registrado por ordem bíblica, cometido pelo homem, pela promessa de Deus, morre espiritualmente e morreria fisicamente, afinal “O salário do pecado é a morte” Rom 6:23.

Uma pergunta pertinente neste caso seria o que nós temos a ver com isso?

A transgressão de Adão neste ponto é fatal e o pior é “hereditário”. De forma que sua atitude foi passada de geração em geração. Nascemos em pecado como Davi dirá mais tarde:

Eis que em pecado fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe. Salmos 51:5”

Veja nossa natureza pecaminosa, até em crianças vemos o egoísmo natural em guerra as vezes por um brinquedo que nenhum dos dois que brigam tem a menor vontade de brincar. Nascemos em pecado. Adão como nosso representante, não é somente quem pecou por todos nós, é que qualquer um que tivesse em sua posição também pecaria, em semelhança com Barrabás, todos os homems pecadores que se mantem em pecado são representados por ele negando a Jesus em função do pecado do mundo.

Todos nós nascemos pecadores!

“Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a TODOS OS HOMENS POR ISSO QUE TODOS PECARAM. Romanos 5:12”

Quando dizemos que somos pecadores ou totalmente depravados, não digo que o homem é tão ruim quanto ele poderia ser, na verdade significa que TODAS as faculdades foram afetadas. O homem pecador ainda faz boas obras, como o estuprador que mesmo assassino, ainda pode ter amor por sua mãe ou dar doces para as crianças vizinhas. Jesus reconheceu que mesmo os perversos podem fazer o bem, quando disse “Se fizerdes o bem aos que vos fazem o bem, qual é a vossa recompensa? Até os pecadores fazem isso (Lucas 6:33)”. É através da graça comum de Deus que Ele restringe a maldade em todos (2 Tessalonicenses 2:7) e possibilita que eles possam fazer o bem relativo. Mas mesmo o incrédulo reconhece a pecaminosidade do homem. Porém toda boa obra que fazemos é pecaminosa perante Deus, para fazermos boas obras de verdade, precisamos ter a motivação correta que é dar glória a Deus.

Quando alguns pregam a conversão, ou pregam o “evangelho das obras” (Gal 1:6), tentam pregar o pecado do homem como uma pessoa se afogando no mar. Ele está batendo seus braços e pernas, tentando manter sua cabeça fora d’água. Ele precisa de ajuda; seus pulmões estão se enchendo de água, mas ele ainda está vivo e capaz de fazer algo para ajudar a si mesmo. Jesus aparece em um bote e joga ao homem afogando um salva vidas. Então ele pode “decidir se salvar ou morrer afogado”. O homem alcança e segura o salva-vidas por sua própria fé e força. Então, Jesus o puxa seguramente para o bote, que segue para a vida eterna. Vemos esta realidade de maneira bem diferente. Na verdade vemos em Efésios 2 este “Morto em suas ofensas e pecados” como um náufrago no fundo do mar, TOTALMENTE morto, desaparecido, sem nenhuma possibilidade de resgate ou de voltar a vida.

Bem mais coerente não acha? A visão de morto, batendo as mãos gritando por salvação é totalmente bizarra!

Lembramos de Jesus e Lazaro em João 11, Lazaro não podia cooperar com sua volta a vida tendo fé para “Fazer sua Parte”. Na passagem, nossa única parte neste mistério é “retirando a pedra”, que fazemos ao pregarmos com fidelidade a palavra de Deus. O milagre vem de Jesus, o ressuscitar não vem pelo “Poder de nossas palavras ou “Unção do pregador”, mas exclusivamente pelo ouvir a palavra de Deus, ele salva e ressuscita, a minha palavra não.

Vamos ver o que Jeremias pode nos dizer:

“Pode, acaso, o etíope mudar a sua pele ou o leopardo, as suas manchas?
Então, não poderíeis fazer o bem, estando acostumados a fazer o mal.” (Jeremias 13:23).

Quanto a este texto Spurgeon, um dos maiores pregadores fiéis da palavra de Deus escreveu de maneira brilhante:

“…Você não poderia tornar um homem negro em branco, apesar de você poder tornar um homem branco em negro. Você pode fazer o que quiser por meio de corrupção, mas você não pode fazer nada através de correção. Você pode se fazer sujo pelo pecado, mas você não pode se fazer limpo espiritualmente por si mesmo, faça o que fizer. Existe uma facilidade em ir para baixo; você pode pular para dentro de um precipício bastante rápido, mas quem poderia ficar ao fundo de um alto despenhadeiro e saltar para o topo de um só pulo? O homem pode descer contra sua vontade, mas ele não pode subir mesmo com sua vontade. Você pode fazer o mal muito facilmente, você pode fazê-lo com as duas mãos, gananciosamente e faze-lo de novo e de novo e não se cansar dele; mas retornar ao caminho correto, isso é difícil.4”

“Charles Haddon Spurgeon, Spurgeon sobre os Cinco Pontos (MacDill AFB, FL: Tyndale Bible Society, n.d.), 99”

É preciso um milagre para que um morto volte a viver, é preciso fidelidade a palavra de Deus na pregação, precisamos de mais pregações expositivas, de forma que pela boca do pregador são proferidas palavras divinas, palavras cheias de poder e vida!



PEDRO FERNANDES 12/07/2013