sexta-feira, 25 de outubro de 2013

O ENDEMONIADO POR DEUS!




Em tempos em que o Cristianismo domina quase que a totalidade de nossa nação (86,8 % IBGE - 2010), poderíamos dizer que nunca ouve no Brasil um “avivamento” tão poderoso na história Cristã, se é que responder a um chamado (apelo) pode ser considerado uma verdadeira conversão. Talvez muito mais que conversões, temos atualmente adesões à fé Cristã. Por isso um país Cristão comete tanto pecado, pois a grande maioria aderiu a um sistema de fé ao invés de ser regenerado pelo Espírito Santo. Ao invés da igreja entrar no mundo e fazer diferença, o mundo ganhou a batalha e acabou entrando na igreja. É quase unânime entres os crentes de que “um Cristão Genuíno não pode ficar possesso por demônio”. Parece contraditório esta afirmação, pois em qualquer hora em que ligarmos a televisão em um canal gospel, veremos exorcismos e conversas com demônios dentro de igrejas de qualquer natureza e denominação. Se o país é Cristão, porque alguém nesta nação pode ficar possesso por demônios?

Escolhi o controverso Rei Saul como exemplo para comparação, pois entre outras “presepadas” como suicídio por forma de morte, temos inúmeros acontecimentos em sua vida que nos valem de preciosos argumentos para esta analise em questão. A narrativa da historia de Saul começa em 1 Sm 9:1 quando anteriormente o povo de Israel em profunda ingratidão ao Senhor dos Exércitos, pede a Samuel que interceda a Deus por um rei em semelhança as outras nações (1 Sm 8:19). Deus atende o absurdo clamor do povo e levanta Saul que era homem forte e preparado a vistas cegas dos homens (1 Sm 9:1). Em Saul temos os seguintes problemas:

1)      Saul era Crente?
2)      Se realmente fosse, como poderia ficar possesso por espíritos malignos (1 Sm 10:6) ?
3)      Saul pela sua vida dissoluta acabou perdendo a salvação?

O problema para nos que cremos na suficiência do sacrifício de Cristo, e professamos que um crente em Jesus não pode ser atingido por satanás (Sl 23:4), é que o texto diz que Saul seria “transformado em outro homem” e “receberia outro coração” (1 Sm 10:6-9). Se ele foi regenerado, logo era um crente legítimo de carteirinha e tudo, portanto segundo nossa lógica, nunca poderia ficar possesso por espíritos do mau, e sabemos que a história se desenrola diferente:

“E o Espírito do Senhor se apoderará de ti, e profetizarás com eles, e tornar-te-ás um outro homem. 1 Sm 10:6”

E parece ser exatamente o que aconteceu a Saul poucos versos adiante:

“Sucedeu, pois, que, virando ele as costas para partir de Samuel, Deus lhe mudou o coração em outro; e todos aqueles sinais aconteceram naquele mesmo dia. 1 Sm 10:9”

Muitos têm interpretado que Saul tenha sido nestes versos regenerado pelo Espírito Santo, e que posteriormente tenha perdido tanto seu ministério (1 Sm 15:10) quanto sua salvação e regeneração. O que pretendemos neste artigo é esclarecer alguns parâmetros da vida de Saul que são na maioria das vezes são mal interpretados.

SAUL E O ESPIRITO MALIGNO

Saul aparentemente fica possesso por um espírito maligno (1 Sm 16:14-23) e seus conselheiros sugerem que os servos reais procurem alguém que saiba tocar harpa (Davi) para que quando o rei ficasse possesso por aquele espírito, ao som da harpa fosse liberto, uma espécie de “Ministério de louvor de cura e libertação”, facilmente encontrado em nossos dias. Porém numa Análise do texto encontramos detalhes preciosos:

a)      “E o Espírito do Senhor se retirou de Saul, 1 Sm 16:14a”

O espírito maligno começou atormentá-lo apenas quando o Espírito Santo foi retirado de Saul.

b)      “E o Espírito do Senhor se retirou de Saul, e atormentava-o um espírito mau da parte do Senhor. 1 Sm 16:14”

A procedência deste espírito também vinha da parte de Deus. O autor faz questão de deixar claro quem o enviou, todas as vezes que se menciona sobre o espírito maligno (1 Sm 16:14.1516.23) coloca ao final “da parte de Deus”. Porém da parte de Deus, não conseguimos por estas palavras discernir se (1°) este espírito era “mau” e foi apenas utilizado por Deus como instrumento ou se (2°) era um espírito “bom” e Deus o enviou para que atormentasse a Saul.

O ESPIRITO ENGANADOR DA PARTE DE DEUS

Temos um caso semelhante em 1 Rs 22:22-23 em que Deus põem um espírito enganador na boca de seus profetas para induzir o rei Acabe a selar seu próprio destino. Parece um problema semelhante ao espírito atormentador da parte de Deus para com o rei Saul. Se Deus proíbe a mentira (Dt 32:4; Hb 6:18; Ex 20:16; Ap 21:8), como  pode nos confundir com estas ações aparentemente tão contraditórias?

“Agora, pois, eis que o Senhor pôs o espírito de mentira na boca de todos estes teus profetas, e o Senhor falou o mal contra ti. 1 Rs 22:23”

Este exemplo além de vários outros, nos prova apenas que Deus é soberano e controla tudo e todos, inclusive os demônios e seus anjos. Martinho Lutero ao entender isso diz que “até o demônio é o demônio de Deus, pois serve aos seus propósitos!”. No caso de Jó, por exemplo, antes que se faça qualquer ação em sua vida, satanás pede autorização a Deus e então executar seus planos (Jó 1:6-12). Deus nesta ocasião e possivelmente em Saul também, permite a ação destes espíritos para que se cumpram seus propósitos. Deus não concorda com a mentira nem aprova a tormenta, mas permiti em alguns casos com fins didáticos e outros fins que nos é posto como mistério (Jó 38:4). Podemos ver na história a ação clara destes espíritos, mas, na vida do crente não se esqueça de incluir a seguinte sentença: “da parte de Deus!”.

SAUL FOI REGENERADO?

Segundo o Dicionário “Léxico do Novo Testamento – Editora Vida Nova” a palavra grega transliterada para “regeneração” é “Palinguénésia” – παλιγγενεσια (Mt 19:28; Tt 3:5). Entre os sinônimos encontramos: reestruturado, renovado, reorganizado, reestruturado, reavivado, transformado, endireitado (...). A pergunta é se conseguimos encontrar na vida de Saul sinais ou frutos (Mt 7:17) que nos oriente sobre sua improvável regeneração ou como posto, seu suposto reavivamento. Cito Rev. Angus Stewart que sabiamente nos trás detalhes preciosos sobre um dos reis menos crente de todo o AT.

“Saul foi “todos os seus dias inimigo de Davi” (18:29), pois sabia que ele o sucederia como rei. Duas vezes Saul tentou ferir a Davi com sua lança (18:11; 19:10). Ele tentou fazer com que os filisteus matassem-no na batalha (18:17, 25). Ele planejou capturar Davi quando esse deixasse a sua casa, executando-o em seguida (19:11-17). Davi escapou de Saul e então se escondeu nas florestas e cavernas (19:18ss.). Mesmo então Saul perseguiu a Davi, e tentou matá-lo. Tão grande era o ódio de Saul que qualquer um que parecesse favorecer a Davi era suspeito. Assim, Saul ordenou que Doegue, o edomeu, matasse 85 sacerdotes e suas famílias em Nobe (22:17-19), e Saul tentou até mesmo tirar a vida de Jônatas (20:33). Jônatas implorou a seu pai por Davi (19:4-7), e Davi por duas vezes poupou a vida de Saul (cap. 24, 26), mas após uma breve pausa Saul retomou seus esforços para assassinar Davi. Saul viveu e morreu odiando a Davi, o homem segundo o coração de Deus. Lemos em 1 João 3:15: “Qualquer que odeia a seu irmão é homicida. E vós sabeis que nenhum homicida tem a vida eterna permanecendo nele”. Um dos últimos atos de Saul foi consultar uma feiticeira (1Sm. 28), algo proibido na lei de Deus (Dt. 18:14). Ele saiu desse mundo através de suicídio, como Aitofel, Zimri e Judas Iscariotes, com o julgamento de Deus sobre ele (1 Crônicas 10:13).”

Rev. Angus Stewart
Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto


Concluímos que Davi tipifica o Reino de Jesus na terra enquanto a Saul, representa a constante perseguição que o mundo intenta contra os eleitos de Deus. Saul nos demonstra uma vida devassa, julgamos por suas obras, que é impossível alguém regenerado, andar com tais procedências. Saul ganhou outro coração (1 Sm 10:6-9) que serviu de capacitação (unção) para o ministério de Saul como rei de Israel, mas para sua salvação precisaria de um novo coração, um novo nascimento (Jo 3:3), para perder seu coração natural de pedra e ganharmos totalmente gratuito um coração de carne (Ez 11:19), coisa que não aconteceu com Saul, como percebemos através de seus atos. Dizer que todos que o Espirito Santo capacita será salvo seria esquisitice (Nm 22 22:23-31).

APOSTOLO PEDRO E SUA SUPOSTA POSSESSÃO DEMONIACA

Como referência para os que dizem que Saul ficara possesso por demônios sendo ele um crente regenerado (o que vimos ser impossível), dão como exemplo à suposta possessão do apostolo Pedro:

“Ele, porém, voltando-se, disse a Pedro: Para trás de mim, Satanás, que me serves de escândalo; porque não compreendes as coisas que são de Deus, mas só as que são dos homens. Mt 16:23”

O impasse se Pedro era regenerado e selado já neste período não vem ao caso, pois não é a preocupação do texto, mas, tratar sobre a influência de Satanás e seu poder. Orígenes apesar de influenciado por sua famosa hermenêutica alegórica, ao comentar este texto diz que “Para trás de mim Satanás Mt 16:23a”, quer dizer que, em outras palavras: “Pedro, seu lugar é atrás de mim, não adiante. Seu lugar consiste em Me seguir e não me levar aonde VOCÊ quer que eu esteja”.

Sobre esta passagem ainda poderíamos apreciar os argumentos de William Barclay que em seu comentário sobre o evangelho de Mateus diz que:

“Encontramos um maior desenvolvimento deste tema quando analisamos esta frase de Jesus à luz das palavras que dirigiu a Satanás no final das tentações, tal como Mateus o apresenta em Mateus 4:10. Apesar de que nas traduções as passagens parecem diferentes são quase idênticas, embora não totalmente. Em Mateus 4:10 diz: "Vai-te, Satanás", que em grego se diz: "Hupage Satana." Neste caso diz a Pedro: “Para trás de mim, Satanás”", que em grego se expressa assim: "Hupage opiso mou, Satana." Agora, o fato concreto é que a ordem de Jesus a Satanás é diretamente: "Vai-te!", enquanto que sua ordem a Pedro é: “Para trás de mim”, quer dizer: "Volta a te converter em meu discípulo." A Satanás Cristo o expulsa de sua presença; a Pedro é-lhe lembrado que deve seguir a Cristo. Se havia algo em que Satanás jamais poderia converter-se, era em seguidor de Cristo; em seu orgulho diabólico jamais podia submeter-se a isso, por isso é Satanás.”

Concluímos, portanto que um Cristão genuíno não pode ficar possuído por espíritos malignos, pois somos guardados pelas mãos fortes de nosso Deus. Aquele que foi regenerado pelo Espírito Santo, Propiciado e Justificado perante nosso Senhor é guardado e conduzido a uma vida em boas obras (Ef 2:8-10; Fl 2:13). Pedro não foi possesso por satanás como judas (Lc 22:3) mas esteve por forte influência do maligno a ponto de querer fazer a suas próprias vontades ou como o texto diz “cogitando apenas as coisas dos homens”, fazendo portanto, objeção natural a Deus. Começamos com uma pergunta que no mesmo enunciado se responde. Porque crentes neste país que é muito mais “cristianizado” do que “cristão”, ficam possessos por espíritos malignos? E a resposta é que não se encontra conversões genuínas nas igrejas. Não existe mais busca pelo “nascer de novo (Jo 3:3)” tão valorizado nas escrituras. Porque Saul foi possesso? Porque nunca foi crente! Não foi regenerado. Não foi nascido do espírito, nascido do alto (Jo 3:3). Finalizo com uma citação bíblica que sanaria quaisquer resquício de duvida se é que não foram completamente resolvidas.

“Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não vive em pecado, antes, Aquele que nasceu de Deus guarda, E O MALIGNO NÃO LHE TOCA. Sabemos que somos de Deus e que o mundo inteiro jaz no Maligno. 1 Jo 5:18-19”


PEDRO FERNANDES