quinta-feira, 20 de novembro de 2014

O CACHORRO CRENTE!



“Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. 1 João 2:15”

Existe no campo do pensamento Grego, uma escola filosófica que é o pensamento “Cínico”. A palavra cinismo vem do grego kynós que significa “cachorro”. No livro o mundo de Sofia, a origem do Cinismo é definida numa passagem da vida de Sócrates: “estando este a passar pelo mercado de Atenas, teria exarado o comentário: Vejam de quantas coisas precisam os atenienses para viver”. Sócrates estava a criticar a vida pomposa dos cidadãos de Atenas. Porém o cinismo teve seu maior expoente em Diógenes (Sinope404 ou 412 a.C.), que entre outras presepadas morava em um barril. O cinismo segundo Diógenes, ensinava uma vida de felicidade e simplicidade, que deveria ter um certo desapego pelos bens materiais e questionar sempre as conveções. Diógenes provocando o convencional, defecava no meio da rua como um cão, tentando em seu escândalo desestruturar os paradigmas além de se masturbar na Ágora. Certa vez, Diógenes andava com uma lanterna durante o dia no areópago procurando um justo em Atenas. O grande imperador Alexandre o Grande estava a passar e esbarrou com Diógenes em seu caminho. Alexandre fora discípulo de Aristóteles e conhecia e admirava a filosofia de Diógenes. Alexandre o questiona dizendo: “O que quiserdes sobre a face da terra eu te darei. O que desejas?” E Diógenes responde: "Desejo apenas que te afastes do meu Sol". Essa resposta ilustra bem o pensamento cínico: Diógenes não desejava nada a mais do que tinha e estava feliz assim (apenas, no momento, gostaria que seu sol fosse desbloqueado). Resumidamente o cinismo prega uma aversão ao mundo. Sócrates quebrava convenções, mas Diógenes ARREBENTAVA com as convenções mundanas. Neste sentido, e é o que nos interessa, os cínicos são aqueles que vão na contramão do mundo.

CHAVES O FILÓSOFO CINICO

Falei que Diógenes morava em um barril. E é evidente a relação com um dos seriados mais famosos do Brasil a décadas: “O Chaves”.

No Chaves existem dois animais de estimação: um era o da D. Clotilde vulgarmente conhecida como “bruxa do 71” e o chaves que era o animal de estimação de todos. Se fossemos resumir uma pessoa cínica, diríamos de cínico o sujeito que vive como um cão solto por ai, portanto, Chaves era um “cão”. Faltando somente o “solto por ai”. Chaves era o único verdadeiramente livre, o único que podia dizer o que quisesse e como quisesse, ser ele mesmo, ter identidade, todos os outros estavam presos à convenções (seu madruga preso ao aluguel). Neste ponto o Chaves é admirável...

Outro ponto que podemos comentar, segundo o blog “Chaves e a Filosofia”, é que “A vida do Cínico para Diógenes se baseava sobre o exercício e sobre a fadiga, considerados como instrumentos necessários para viver feliz, para saber dominar todos os prazeres e para alcançar a plena liberdade. Ou seja, a doutrina cínica era “antiJaimista” promovendo a fadiga e não evitando-a como faz (tenta) o nobre carteiro”.

O leitor atento dirá que citamos errado a quantidade de animais na vila do Chaves pois não falamos do Madruguinha, Peludinho, Soriano, etc... Além de que o Chaves não mora num barril, e sim na casa número 8. Segue uma transcrição de uma conversa entre o Chaves e o Kiko:

“Chaves: Eu não moro no barril, eu só entro no barril porquê... bem, você sabe... pra...

Kiko: Só por esporte.

Chaves: Isso, isso, isso..."

(Diálogo entre Chaves e Kiko)

Mas o que não foi dito é o nome da suposta mãe do Chaves, o que será revelado ao leitor perseverante que ler até o final do artigo.

JESUS, CINICO?

Diógenes, Chesperito e a pergunta que não cala é: Jesus também era cínico? Podemos certamente dizer que Jesus como Deus não somente conhecia a filosofia grega como também conheceu o princípio do mundo (Jo 1.1) e antes mesmo do princípio. Mas Jesus como um homem certamente conheceu a filosofia de Diógenes e foi em grande medida um adepto dela. Veja algumas citações cínicas de Jesus:

“E disse-lhe Jesus: As raposas têm covis, e as aves do céu, ninhos, mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça.” Mateus 5:20 e Lucas 9:58.

 “E, respondendo ele, disse-lhes: Quem tiver duas túnicas, reparta com o que não tem, e quem tiver alimentos, faça da mesma maneira.” Lucas 3:11;

“E ordenou-lhes que nada tomassem para o caminho, senão somente um bordão; nem alforje, nem pão, nem dinheiro no cinto; Mas que calçassem alparcas, e que não vestissem duas túnicas.” Marcos 6:8, 9

Além disso denunciou a hipocrisia da religiosidade dos seus dias (Mt. 15:7s; 22:18; 23:29). Ensinou sobre o desapego aos bens materiais (Lc. 12:33), foi indiferente ao comportamento social convencionado em enumeras ocasiões (Mt. 12:1-12; Mc. 2:16, 17; Jo. 5:1s).

É claro que Jesus não se comportava como Diógenes, e nem era um adepto do movimento cínico à risca, mas em certo grau, pelo menos de ir na contra mão do mundo - que é o que nos importa - Jesus foi o mais cínico de todos os tempos!

MUNDANISMO NO CASAMENTO

Apesar do que anunciamos com o texto bíblico, o conceito de “mundo” invadiu o meio cristão. Enquanto os cínicos de maneira bem desorganizada travaram uma batalha épica contra o “mundo”, o cristianismo que tem sua bandeira bem declarada e milita de maneira bem mais organizada, não conseguiu ou não tem conseguido se afastar do que mais repudia: “o mundo”.

Comecemos pelo casamento Cristão que foi abafado pelo “mundanismo”. Me desespero ao pensar no que um jovem casal cristão é capaz de proclamar sobre suas convicções. Para começar creio que ninguém se casa ou se casou por amor (se é que podemos dizer amor sem antes dizer do que se trata, mas pensemos no conceito de amor ocidental predominante). Na verdade nos enganamos com este “amor de novela das oito”. Ninguém ama seu companheiro, mas, apenas uma figura suposta de seu amado. Este “amor novelesco” é um amor que não sai da primeira pessoa. É um sentimento ancorado no “eu” e que não sai dele e nem está disposto a fazer tal absurdo. Deixe eu te provar que você nunca amou ninguém a não ser você mesmo. Uma mulher se casa com uma homem porque o ama, descobre após seis meses que na verdade ele é um homem bem mentiroso, concorde que ela deveria o amar mais e mais porque agora o seu sentimento por seu amado, que era fruto de uma impressão enganosa, agora está liberto do engano e portanto pode amar seu companheiro com muito mais vigor ancorado na verdade de que seu amado é um mentiroso. Daí você que aprendeu amar com a novela das oito, e descobre que seu cônjuge não é aquilo que estava na sua cabeça, o mata para salvar o amante que estará sempre vivo, como sempre foi na sua cabeça. Neste sentido o casamento é uma bomba relógio que foi armada em um duplo “sim” no altar e que não tem outro destino se não explodir e causar catástrofes familiares que antes da novela costumam passar no Jornal nacional.

#Fica a dica: “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. 1 João 2:15”

MUNDANISMO ÉTICO

No campo Ético é similar. Podemos chamar este campo de a “inteligência a serviço do aperfeiçoamento da convivência”. Se tratamos a pouco de um campo restrito, tratamos neste o que será o mais abrangente possível. Se estabeleceu a tempos atrás os trágicos resultados de fumantes que usavam cigarros em público. Se fixou placas, filmes, cartazes e propagandas. Foi promulgado um conceito Ético portanto. Hoje em cinemas, teatros, lugares fechados, não se necessita mais de placas de “não fume”, pois aquele que desobedece este “tratado social”, seria um “imoral”. É imoral aquele que desobedece um conceito Ético pré-estabelecido. Existe o “Cristão Roberto Carlos” que a vida dele é dizer “só vou gostar de quem gosta de mim”. É o mesmo que diz: “vou fazer bem apenas para quem fizer bem para mim”, enquanto que o que o conceito máximo do Cristão é a graça. Se Deus fosse fazer por nós apenas o que fizemos para Ele o que sobraria de nós? Já não seria o Chaves mas o Chapolin a dizer: “Hó, e agora quem poderá me ajudar?”

Na verdade, infelizmente o crente não precisa nem se preocupar em ser imoral pois ainda não chegou nem a conhecer os princípios do cristianismo. Ele para ser imoral precisa evoluir bastante, os cristão contemporâneos ainda são antiéticos, sem fundamento, rasos, sem alicerce, fundamentados na areia do deserto, infelizmente somos em nossa grande e esmagadora maioria “Cristão Mundanos”.

#Fica a dica: “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. 1 João 2:15”

MUNDANISMO LABORAL

Se o casamento e nosso comportamento é mundano, o trabalho seria o que faltava par completar o ciclo de distúrbio espiritual. Desde criança somos ensinados o que se precisa para criar alguém que se encaixe no mundo. Um ser sociável e adaptável. Começo a vida e me vejo na pré-escola. E vem a “tia” me ensinando que preciso aprender a ler e a escrever para me preparar para o ensino fundamental. Quando chego ao ensino fundamental agora ficou legal, não chamo mais ninguém de “tia”, porque tenho várias delas, uma para cada matéria. Mudou meu uniforme, minha concepção de mundo e penso: “agora vou ser feliz!”. Mas vem o diretor e te diz: “esta é sua base, a próxima fase tem enem, você precisa se preparar para o ensino médio!” Chega o ensino médio e já se vai muitos anos em labuta. No primeiro ano, talvez no primeiro dia de aula você escuta: “aqui não tem conversa! É se preparar e vence quem entra na universidade!” Infelizmente ainda não chegou a sua vez. Ainda não foi desta vez que você pode finalmente desfrutar de uma conquista. Com muito esforço e um pouco de cola você finalmente entra na faculdade. Seu olhar brilha. Finalmente chegou a tão sonhada “era dourada”. Mas com pouco tempo nos corredores em conversas paralelas você percebe que a conversa é a mesma. Preciso arrumar um estágio. E não precisa dizer que quando você consegue o bendito estágio acontece o que você por algum motivo já desconfiava: “preciso ser efetivado”. Tudo bem. Você é efetivado e chega o chefe do departamento e te apresenta a empresa e te diz: “somos uma empresa conceituada e você deu muita sorte na vida. Temos aqui 15 níveis de graduação e você começa amanhã no nível 15”. Logo ele abre um PowerPoint e te manda ir buscar uma “cenoura”. Você passa a semana torcendo para ela acabar e quando chega o fim de semana você não sabe o que fazer porque tem pouco dinheiro e o ônibus é caro. Chega o começo da semana e você percebe que você deseja mesmo é o que o mês acabe. Acaba o mês e você entrega a cenoura para o seu chefe. Você vai passar 35 anos se for homem e 30 se mulher pegando cenouras para o seu chefe e torcendo para a sua vida acabar logo. Lá pelas tantas ainda não chegou a hora de aproveitar a vida. A hora de ser feliz. De Aproveitar o que se tem. Você aprendeu com o mundo um conceito diferente. Se algum dia você pensar em ser feliz com o que tem, se contentar com sua única túnica vai chegar um representante do demônio e te dizer que você precisa “sair da zona do conforto” e servir melhor ao deus “mamom”.

#Fica a dica: “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. 1 João 2:15”

MEU DEUS! SOU MUNDANO! O QUE FAÇO?

O primeiro passo é abandonar os métodos “mundanos” para se livrar dele mesmo. Desconfie. Jesus como cínico, se preparou para libertar pessoas do mundo. E não utilizou métodos mundanos para tal. Em um sermão, Davi C. Gomes prescreveu como seria se Jesus pedisse auxílio ao “mundo” para realizar sua empreitada:

“CONSULTORIA DE PESSOAS JORDÃO LTDA

Para Jesus, filho de José, End. Carpintaria “O carpinteiro”, Nazaré, 25-12-030

De Consultoria Jordão.

Prezado senhor,

Grato pela oportunidade de servi-lo nas análises dos currículos dos doze homens pré-selecionados para funções gerenciais em sua nova empreitada, Submetemos nesta, nossas conclusões.

Todos os candidatos foram submetidos a extensa bateria de testes, entrevistas, exames psicológicos e psicomotores. Nossos computadores computaram os resultados iniciais e nossos expertos analisaram as aptidões vocacionais de cada um deles. Sugerimos que o senhor analise cuidadosamente cada relatório, mas como parte do nosso pacote, oferecemos uma análise geral sem custos adicionais, assim como as nossas sugestões:

Entendemos que quase todos os candidatos não possuem instrução, educação e preparo para a função a ser exercida. Não tem espirito de time e não trabalharão como grupo. Recomendamos fortemente que o senhor continue entrevistando outros candidatos com mais experiência e preparo.

Por exemplo:

·         Simão Pedro é emocionalmente instável, além de ter sido reprovado no exame psicomotor.
·         André não possui nenhum espirito de liderança.
·         Dos dois irmãos Tiago e João, filho de Zebedeu, além de histórico de problemas familiar, colocam seus interesses pessoais acima da função.
·         Tomé demonstra uma atitude Cética que afetará o clima da empresa.
·         Tiago filho de Alfeu e Tadeu, definitivamente possuem tendências radicais, tendo ambos também revelado alto grau na escala maníaca depressiva.
·         Quanto a Mateus sentimos a obrigação de que seu nome consta na relação do SERASA.
·         Um de seus candidatos entretanto revelou-se promissor. É um homem de habilidade e tino comercial. Bem relacionado e com uma mente rápida para uma ação estratégica. É capaz de negociar em situações tensas, ambicioso, talentoso, motivado e bem relacionado com pessoas importantes. Recomendamo-nos portanto que Judas Escariotes seja contratado como controlador do empreendimento e talvez o seu braço direito.

Os resultados anexos são autoexplicativos, desejamos sucesso em seu novo empreendimento.

Sinceramente,

CONSULTORIA JORDÃO GERENCIA DE PESSOAS

(Davi Charles Gomes, Ph.D. - http://www.mackenzie.com.br/davi_charles.html)”

Apesar da brincadeira fica claro a falta de ligação de propósitos entre os dois lados. Termino esta mensagem encaminhando uma proposta para fugirmos da aparência do mal.

1.       O QUE É O MUNDO?

O mesmo João que escreve esta carta à congregação em Éfeso, é o mesmo que dias mais tarde escreve o livro de Apocalipse e no cap. 17 João personifica o “mundo”:

“E veio um dos sete anjos que tinham as sete taças, e falou comigo, dizendo-me: Vem, mostrar-te-ei a condenação da grande prostituta que está assentada sobre muitas águas; Com a qual fornicaram os reis da terra; e os que habitam na terra se embebedaram com o vinho da sua fornicação. E levou-me em espírito a um deserto, e vi uma mulher assentada sobre uma besta de cor de escarlata, que estava cheia de nomes de blasfêmia, e tinha sete cabeças e dez chifres. E a mulher estava vestida de púrpura e de escarlata, e adornada com ouro, e pedras preciosas e pérolas; e tinha na sua mão um cálice de ouro cheio das abominações e da imundícia da sua fornicação; E na sua testa estava escrito o nome: Mistério, a grande babilônia, a mãe das prostituições e abominações da terra. E vi que a mulher estava embriagada do sangue dos santos, e do sangue das testemunhas de Jesus. E, vendo-a eu, maravilhei-me com grande admiração. Apocalipse 17:1-6”

Esta prostituta astuta, experiente, dominadora vem seduzindo os despreparados e desavisados a muitos anos. Não se esquive da responsabilidade, olhe atento para sua vida e verá que infelizmente você também é vítima da grande babilônia. É incrível o quanto é claro o pavor que o Cristão deveria ter pelo mundo e ao invés disto estamos andando na corda bamba e arriscando uma queda mortífera a qualquer instante.

#Fica a dica: “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. 1 João 2:15”

2.       ESCRAVO DO PECADO?

Já sei quem é a babilônia, ela é uma prostituta sagaz, mas o que fazer? Todos nós antes de ser resgatados por Cristo, erámos escravos do pecado (Rm 6.20). Porém depois da libertação mediante a expiação de Jesus no madeiro, estamos livres das algemas. Antes o pecado ordenava e tínhamos de o obedecer pois éramos seus servos e o ele nosso senhor. Porém com grande misericórdia e abundante graça, paramos de servir o pecado e em novidade de vida servimos ao nosso único mestre e senhor Jesus o Cristo de Deus! Portanto temos agora todas as ferramentas para não se enredar com a prostituta.

#Fica a dica: “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. 1 João 2:15”

3.       O HOMEM É LIVRE!

Alguns tontos escrevem e cantam que desejam ser livre como os pássaros. Pássaros não são livres. Pássaros não podem por exemplo decidir não voar. Ninguém vai ver por ai um passarinho em um belo dia de sol que decide ir andando para o ninho. Neste sentido, um gato por mais fome que esteja nunca vai comer alpiste para matar sua fome. Um passarinho por mais fome que tenha, nunca vai comer filé para se alimentar. Como disse Rousseau, o homem é a única criatura transcendente. Deus é transcendente ao nosso entendimento. Mas o ser humano é transcendente em relação a sua natureza. Nisso somos semelhantes a Deus. Nisso somos livres. Karl Max disse no sec. 18 que o pior dos tecelões era melhor de que uma aranha para tear. Parece absurdo esta afirmação, porém, por mais estupenda que seja sua teia, ela só sabe fazer de um jeito, e o problema da aranha é que ela já nasceu sabendo. Desta maneira somos livres inclusive para tear de maneira indigna ou estupenda. Passarinho não é livre. Não existe mau cachorro. Em um ataque de rottweiler você diz que o cachorro é mal. Mentira, ele seguiu sua natureza. Não podia não o atacar. Portanto somos a única criatura capaz de deliberar (apesar de inclinação pecaminosa) e decidir nossa vida. Podemos portanto recusar os capricho da meretriz.

É fácil assim se livrar do mundo? Não. Tente pegar uma arvore mesmo que pequena e tente arrancar ela do chão. Você vai se arranhar todo e o máximo que vai conseguir é arrancar as suas folhas. Mas como ela tem raiz em pouco tempo as folhas voltarão. O Cristãos estão tão envolvidos com o mundo que não é tarefa fácil os retirar dali pois suas raízes estão profundas. O máximo que conseguimos é de tanto espernear retirar apenas suas folhas. Mas em pouco tempo seus velhos hábitos estão de volta pois sua raiz continua firme. Oremos a nosso salvador para que ele possa, assim como fez com João, nos retirar permanente do mundo e pela raiz.

Assim como Jesus, precisamos ser mais cínicos para o mundo. Sermos uma espécie de ”Cachorro Crente!”

#Fica a dica: “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. 1 João 2:15”

Obs: Chaves não vive no barril ele mora com الملك منصبه فخري و رن و واحدئيس الوزراء هو الحاكم الفعل , aliás esse é um segredo que perdura por todo seriado, e eu revelando aqui em primeira mão, não precisam agradecer.


PEDRO FERNANDES

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

AMIGO DO CAPETA!




Quando ele nasceu em 1642 numa pequena vila na Inglaterra, quase nada se conhecia sobre o mundo da física. Sua infância foi extremamente infeliz e seu pai morreu antes de seu nascimento. Sua mãe o abandonou e foi criado por sua avó rígida e puritana. É certo que nunca superou esta situação pois anos mais tarde em uma espécie de confissão, escreve pedindo perdão a Deus por sempre ter tido vontade de atear fogo na casa com seu pai e sua mãe juntos. Já na faculdade, enquanto seus colegas pouco se importavam com os estudos, ele tinha uma vida de reclusão e completo isolamento por causa de uma obsessão com o pecado arraigado no movimento puritano. Em todo a sua vida teve poucos amigos e nenhum romance. A ponto de alguns biógrafos afirmarem que ele havia morrido virgem. Aprende matemática avança sozinho e com 20 e poucos anos de idade inventa o “calculo”. Mas guardou sua descoberta para si. Se optasse por divulgar suas descobertas poderia ser considerado o maior matemático da Europa! Estamos falando do físico, matemático, revolucionário, sobretudo Cristão: Sir. Isac Newton. Com Vinte e quatro anos, sentou-se e viu uma maçã cair. Inspirado, após olhar para maçã olhou para a lua e colocou uma questão crucial: “se a maçã cai, será se a lua também cai?”. Com este raciocínio, deu um golpe de mestre e percebeu que a mesma “força” que faz a maçã cair é também a que faz a lua cair em volta da terra. Anos mais tarde ainda sobre o mesmo assunto, em 18 meses de reclusão, trabalhando até 20 horas sem parar e saltando refeições escreve sua obra prima: “Principia”. Para muitos, fundou-se ai o pensamento filosófico que conhecemos hoje como “determinismo”. Em resumo o Determinismo acredita que tudo no mundo está predeterminado, segundo Newton, por leis naturais (as três grandes leis). Veja como isto parece se harmonizar com o ensino de Paulo em Efésios onde se diz que “nos elegeu nele antes da fundação do mundo para que fossemos santos e irrepreensíveis (...) (Ef 1:4)”. Mas enquanto o ser humano não é alcançado pela graça para ser “santo e irrepreensível” se libertando de suas próprias paixões, ele continua sendo atacado, infligido, bombardeado pelo mundo ao seu redor, que ainda está ligado a ideia do determinismo. Mogli (Mowgli no original - 1893) é uma personagem do conto O Livro da Selva. Mogli é uma criança selvagem que teria sido criado e alimentado por uma alcatéia de lobos e cresceu com tal. Este livro foi uma produção cultural que nos explica o pensamento de Newton. Quem anda em meio a lobos, viverá como lobo. O meio em que um ser vive, determina suas volições e apetites. Tarzan é um personagem de ficção criado pelo escritor americano Edgar Rice Burroughs em 1914, e também é um exemplo de determinismo. Quem nasce em meio a gorilas e chimpanzés, certamente vai se comportar como um deles. Rômulo e Remo são, segundo a mitologia romana, dois irmãos gêmeos, que abandonados num rio sobreviveram e foram criados por uma alcateia de lobos. Destes irmãos, Rômulo, foi o fundador da cidade de Roma e seu primeiro rei que ainda depois de adulto, tinha traços de lobo. Veremos adiante um caso clássico de determinismo. De como o meio social em que o indivíduo vive, determina seu caráter, suas vontades e suas preferências.

“E, chegando Pedro à Antioquia, lhe resisti na cara, porque era repreensível.
Porque, antes que alguns tivessem chegado da parte de Tiago, comia com os gentios; mas, depois que chegaram, se foi retirando, e se apartou deles, temendo os que eram da circuncisão.
E os outros judeus também dissimulavam com ele, de maneira que até Barnabé se deixou levar pela sua dissimulação. (Gl 2:11-13)”

1 - JOSÉ, O “BARNABÉ”

Barnabé era um Judeu (Levita) que foi testemunha da história de Jesus. Não era chamado assim, seu nome natural era José. Os apóstolos lhe deram este apelido que significa “filho da exortação”. Vivia em Jerusalém e acompanhou de perto todos os grandes acontecimentos daquela época. Não temos os detalhes mas certamente Barnabé tinha ouvido falar que um nazareno tinha andado sobre as águas, que tinha feito cego ver, coxo andar, mudo ouvir, ressuscitado alguns dentre os mortos e que este mesmo que se intitulava o messias, o salvador prometido, tinha sido crucificado e morto numa cruz. Soube também que durante sua morte o véu do santuário se rasgou de cima a baixo, a terra tremeu, alguns mortos viveram, o céu se rompeu em trevas ainda durante o dia e o mais impressionante, que no terceiro dia ele ressuscitou! Porém nada disso persuadiu José Barnabé. Nada o tinha feito crer que Jesus era o Cristo. Mas foi na maneira como os discípulos se comportavam que o deixou impressionado. Viviam em harmonia. Em comunidade. Um era o “coração e a alma” (At 4.32). Repartiam entre si seus tesouros e também repartiam suas necessidades. Enquanto alguns em nossos dias esperam uma chuva de bênçãos cair do céu para que possam crer, Barnabé ficou maravilhado pelo COMPORTAMENTO da igreja e quebrantou seu coração. Decidiu se entregar completamente a Jesus. Numa atitude de entrega total, vendeu suas propriedades e entregou aos apóstolos (At 4.37). Apesar de ser Levita e este povo ter recebido algumas cidades (Js 21) o mais certo é que estas terras pertenciam a sua esposa. Muitas coisas aconteceram com Barnabé e a igreja primitiva, mas permaneceram firmes, inabaláveis, confiando nas promessas de Jesus que disse que “as portas do inferno não vão prevalecer contra a igreja” (Mt 16.18b).

2 - A VISITA DE PEDRO

Estevão sofre o martírio (At 7-8) e explode em Jerusalém uma grande perseguição e todos exceto os apóstolos, fogem de Jerusalém. Deste povo alguns se firmaram em Antioquia e pregando o evangelho e fundou-se uma igreja forte e prospera neste lugar. Os apóstolos ficaram sabendo desta igreja e enviaram Barnabé para pastorear este povo. Vemos que todos nós temos amigos e por outro lado somos amigos de muita gente. Sempre em momentos de crise ou de alegria podemos contar com nossos amigos. Quando se fura o pneu do carro para quem ligar? Quando se precisa urgente de uma palavra de conforto para quem procurar? Quando se quer festejar e comemorar algo com quem gostamos de aproveitar estes momentos? Com os amigos é claro. Sempre teremos amigos que podemos contar nos momentos de bonança e também de peleja. Os apóstolos quando precisaram de ajuda, sabiam que poderiam contar com a ajuda do amigo barnabé. No primeiro versículo de nosso texto principal, diz que Pedro estava chegando à Antioquia.

“E, chegando Pedro à Antioquia, lhe resisti na cara, porque era repreensível. (Gl 2.11)”

Pedro estava devolvendo uma visita que Paulo o havia feito em Jerusalém (At 11.30) e ficou por algum tempo na igreja de Antioquia. O Texto começa com um péssimo testemunho de Pedro e sabemos que ele não tem bons antecedentes. Quando pensamos em suas histórias pensamos sempre em desastres. Você lembra do Pedro de mente pequena? Jesus ensinavam por meio de parábolas, Pedro quase sempre não o compreendia. Você lembra do Pedro autoconfiante? Jesus disse que na sua morte todos se escandalizariam e Pedro disse que até podia ser que eles o fizessem mais eu não! Você lembra do Pedro amante do mundo? Pedro olhou ao templo e disse a Jesus: “vede que construção!” E Jesus lhe respondeu: “não ficará pedra sobre pedra que não seja derribada”. Você lembra do Pedro violento? Jesus no Getsêmani depois de três longos anos de ensinamento, Pedro pega a espada e corta a orelha do soldado Malco. Pega esta cena e depois leia o sermão do monte que Pedro também ouviu e verá um contraste impressionante. Você lembra do Pedro de pequena Fé? Jesus andando sobre as aguas garantiu a possibilidade a Pedro.  E por sua falta de Fé, afundou em meio as aguas turbulentas. Você não pode esquecer ainda do Pedro que negou a Jesus!

Portanto passemos a uma outra percepção de amigo. Após compreender que existem amigos para todas as horas é preciso analisar a fundo estas pessoas. Como Pedro que passou por todos estes impasses ainda se tornou o líder e representante entre os doze? Será se não esperávamos um líder com maiores qualidades do que a de um pescador atrapalhado? É para que nos lembremos de que ninguém é perfeito e sempre age da maneira certa. Talvez quando citamos os problemas que Pedro passou, você também tenha se identificado com as mesmas atitudes de Pedro. Todos nós somos “Pedro” porque somos todos pecadores (Rm 3.23). Quando for ouvir o conselho de um amigo lembre-se que ele é um “Pedro” também. Quando você criar muita expectativa sobre um amigo e ele te decepcionar, lembre-se que ele é um “Pedro”. Enfim, todas as nossas relações sociais estão marcadas pela “síndrome de Pedro”.

3 - PEDRO INFLUENCIA BARNABÉ

Chegamos ao ponto alto da mensagem que é a influência de Pedro sobre Barnabé. Lemos no texto Paulo perplexo pela atitude de Barnabé mas não é tão claro o sentimento do apostolo. Primeiro porque num primeiro momento não podemos concordar com a perplexidade porque a atitude de Barnabé segundo estamos estudando é inclusive natural.

Porque, antes que alguns tivessem chegado da parte de Tiago, comia com os gentios; mas, depois que chegaram, se foi retirando, e se apartou deles, temendo os que eram da circuncisão.
E os outros judeus também dissimulavam com ele, de maneira que até Barnabé se deixou levar pela sua dissimulação. (Gl 2:12-13)”

Pedro estava em comunhão perfeita com os gentios, afinal de contas, a pouco Pedro tinha tido uma experiência na casa do Centurião Cornélio de que Deus através de Jesus tinha derrubado o muro de separação entre judeus e gentios. Mas então porque Pedro de uma hora para outra ficou receoso de comer com os gentios? Por temer a repreensão dos líderes de Jerusalém, simplesmente para agradar os capricho e preconceitos de homens. O problema não para por aqui. O Cerne da discussão é a perplexidade de Paulo ao ver a atitude de Barnabé. Você se lembra quanto anos Barnabé conhece a Pedro? Você consegue mensurar as dificuldades de ser cristão num império que considera como sacrilégio e blasfêmia a sua confissão de fé? Lembra que Barnabé e Pedro passaram por tudo isso juntos. Portanto é natural que Barnabé fosse influenciado pela atitude negativa de Pedro.
  
Lembre-se que você não escolhe se vai ser influenciado ou não por um amigo. Mas pode escolher quem será seu amigo. Uma amizade ruim pode salvar a sua vida ou pode destruir de maneira avassaladora. Temos um exemplo do tamanho da desgraça que uma amizade pode trazer para sua vida:

“E aconteceu depois disto que, tendo Absalão, filho de Davi, uma irmã formosa, cujo nome era Tamar, Amnom, filho de Davi, amou-a.
E angustiou-se Amnom, até adoecer, por Tamar, sua irmã, porque era virgem; e parecia aos olhos de Amnom dificultoso fazer-lhe coisa alguma.
Tinha, porém, Amnom um amigo, cujo nome era Jonadabe, filho de Siméia, irmão de Davi; e era Jonadabe homem mui sagaz.
O qual lhe disse: Por que tu de dia em dia tanto emagreces, sendo filho do rei? Não mo farás saber a mim? Então lhe disse Amnom: Amo a Tamar, irmã de Absalão, meu irmão.
E Jonadabe lhe disse: Deita-te na tua cama, e finge-te doente; e, quando teu pai te vier visitar, dize-lhe: Peço-te que minha irmã Tamar venha, e me dê de comer pão, e prepare a comida diante dos meus olhos, para que eu a veja e coma da sua mão. 2 Sm 13:1-5”

Amnom tinha uma meia irmã formosa e virgem. E ficou literalmente doente de desejo por Tamar. Ele tinha um “amigo do capeta” chamado Jonadabe. Seu amigo pergunta o motivo porque ele estava naquela situação. Ele se abre com Jonadabe, que ainda era seu primo, e ele lhe sugere que se finja de doente e que se deitasse com Tamar quando ela fosse cuidar dele. O resultado é catastrófico. Não é ficção é vida real. É o poder de um concelho. É o poder de uma amizade mal resolvida. Amnon estupra Tamar para depois sentir nojo dela. Absalão provoca uma festa como emboscada para Amnom e o mata. Irmão que mata irmão. Seu Pai revoltado nunca o perdoa, Absalão por sua vez tenta tomar o trono de Davi para depois ser morto pelo exército do rei. Veja o poder destruidor daquele concelho não verificado.

4 - ESCOLHER AS AMIZADES É NOSSA SALVAÇÃO!

Temos de escolher melhor nossas amizades. Jonatan escolheu ser amigo de Davi. Daniel escolheu a “dedo” seus amigos. Escolheu de dentre todos aqueles jovens que foram para a babilônia Sadraque, Mesaque e Abdnego. Na hora dos conflitos ficou claro a escolha de Daniel. Não por exagero mas o futuro de nossa saúde talvez dependa disso. Talvez o futuro de nosso trabalho, nosso filhos e nossa família dependa disso. Portanto fiquemos atento aos tipo de amizades que podem nos rondar.

1.       O primeiro tipo é o amigo “Pedro”. Ele é pecador como todos os outros e inclusive você. Ele vai vacilar, pode te dar mal concelho, vai escurregar e pode fazer ir junto no mesmo tombo! Tenha cuidado com ele. Examine tudo e “retenha o que é bom”. Fique atento pois até mesmo o amigo “Pedro” que é cristão, pode fazer você ir para o fundo do buraco!
2.       O amigo “Paulo”. Este é o amigo que todos temos a obrigação de ter um por perto. Alguém sábio disposto sempre a te reclamar, orientar, mostrar seus defeitos sem medo de você ficar magoado ou ferido pois o que importa é que você abandone completamente esta ferida. Se você não tem um amigo “Paulo” por perto, corra atrás urgente de um para que você possa se abrir com ele.
3.       O amigo “Jonadabe”. Este é o “amigo do capeta”. Provavelmente você já teve ou tem alguém assim por perto. Que tem uma vida desestabilizada, que não professa crer no que você acredita, que sempre faz e te incentiva a fazer coisa errada, que conta piada pornográfica, que te induz a mergulhar na pornografia ou no adultério. Este só tenho um conselho para você FUJA DELE AGORA MESMO! Não deixe que este “amigo do cão” destrua sua vida.

Acabamos de colocar então uma boa lista de amigos para que fiquemos atento. E como dito esta lista está boa, mas ainda não está completa. Quero te apresentar um amigo de todas as horas. Quero te apresentar alguém disposto a morrer por você. Aquele de quem depende todas as suas amizades, todos os seus relacionamentos, toda a sua vida depende deste amigo.

“Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos. Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando. Já vos não chamarei servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas tenho-vos chamado amigos, (Jo 15.13-15)”

A águia faz seu ninho nas alturas, longe dos predadores. Faça o mesmo. Faça um compromisso com seu verdadeiro amigo. Não deposite suas esperanças em um tipo de governo, num pensamento filosófico ou em seus amigos. Lembre-se que por melhor que seja um amigo, ele um dia vai te decepcionar. Faça o ninho de suas esperanças naquele amigo que nunca vai virar as costas para você e nunca vai te colocar em apuros!



PEDRO FERNANDES

terça-feira, 5 de agosto de 2014

REI LEÃO E O REI DOS REIS



Em um raiar de sol daqueles que agradecemos a Deus por se estar vivo, nossa história começa com uma convocação de todo o reino animal a reverenciar o nascimento do futuro rei, o jovem SIMBA! Que maravilha! Me veio logo à mente imediatamente o nascimento de Jesus. Pensei em todos os seres angelicais curiosos com o acontecimento, as estrelas, as galáxias, o universo gemendo como nunca, em uniforme reverência, de outro lado esperneando, talvez gaguejando o cosmos diga: “será se é Ele? (Rm 8.22-23)” Entretanto em uma cerimônia bem mais simples do que a do Rei Leão, Jesus nasce em uma manjedoura entre os animais numa pequena hospedaria. Batizado com suco de fruta e aspergido um pouco de terra, Simba está pronto para cumprir seu propósito como futuro Rei. Jesus, como Simba, circuncidado ao oitavo dia, cumpre toda a lei como ele diz em seu sermão mais longo e belo (Mt 5.17). Apesar do infinito abismo entre os personagens, pretendo fazer uma analogia e veremos espantosas semelhanças entre o Rei Leão e o Rei dos Reis (Ap 19.16).

Texto Áureo:

“E os vinte e quatro anciãos, e os quatro animais, prostraram-se e adoraram a Deus, que estava assentado no trono, dizendo: Amém. Aleluia! Ap 19:4”

SIMBA APRENDE DE UM SÁBIO MESTRE

O Jovem Simba nasceu com apenas um proposito: ser o rei da pedra do reino. Mufasa seu pai, sem perda de tempo, explica logo cedo sobre o complexo ciclo da vida e como devemos respeitar a menor das formiguinhas, até o maior dos antílopes. Assunto um tanto estranho para se explicar a uma criança. É como se pegássemos um menino de pouca idade e a convidasse para uma divertida viagem sobre a tabela periódica e um gostoso bate-papo sobre física quântica e suas implicações práticas. Fantástico não? Da mesma forma Jesus pregando na palestina, tem em sua mente os mistérios do universo, das coisas celestiais, milhões de informações e apenas uma missão: fazer-se entender a pescadores e pessoas com limitações intelectuais. João Calvino ao se deparar com a linguagem de Jesus ensinando seus discípulos, principalmente sobre a santa ceia, chega a uma conclusão interessante:

“Se Deus, acomodando-se à tacanha capacidade dos homens, fala num estilo humilde e acessível, este método de ensino é desprezado como simples demais; porém, se ele se manifesta num estilo mais elevado, com vistas a imprimir maior autoridade a sua palavra, os homens, com o intuito de eximir-se de sua ignorância, dirão que ela e obscura demais. Como esses dois vícios são por demais prevalecentes no mundo, o Espirito Santo assim tempera seu estilo, para que a sublimidade das verdades que ele ensina não fique oculta daqueles que porventura sejam de uma capacidade mais débil, contanto que sejam de uma disposição submissa e dócil e tragam consigo um desejo solicito de ser instruídos” - J. Calvino, As institutas, L.8.1

Em outro lugar diz:

“Nas Escrituras, Deus balbucia a nós, fala-nos como uma ama fala a um bebê.” – J. Calvino, As institutas, L.3.3

Este exemplo nos é perfeito, pois, o Rei Leão ensina seu filho com o cuidado de um pai numa simplicidade fantástica, apontando a formiga, os antílopes, assim também, o Espirito Santo nos ensina todos os dias através da bíblia, “balbuciando” as verdades celestes, de maneira que nossa completa ignorância e falta de ânimo (Tg 1.8) para compreende-lo, sejam vencidos por sua graça em seu amor.

SCAR DO DIABO!

Outro personagem da história é Scar, irmão de Mufasa. Sempre intentando contra o rei. No filme faz o papel do adversário. Adversário de um plano natural que é o cerne da história. Scar como satanás (O termo grego Σατανάς aparece na Septuaginta, bem como na Tanakh, como adversário), não está em todos os lugares ao mesmo tempo, e nem pode executar seus planos sozinho, ele tem a ajuda de hienas. Assim como o diabo que tem a companhia de demônios, e como o apostolo revela, de dominadores do ar, principados e potestades (Ef 6.12). Scar trama a morte de Mufasa e Simba para poder assumir o lugar do Rei. No fundo talvez seja a motivação final de quase todos os nossos pecados: ASSUMIR O LUGAR DO REI. Quando não perdoamos alguém que nos fez algum mal por exemplo, e que esteja completamente arrependido, no fundo estamos quebrando o primeiro mandamento, querendo usurpar o lugar de Deus. Nós nos achamos especiais demais, soberanos demais, poderosos demais, corretos demais...Mas lembre-se, todo pecado e falha no fim é cometido contra Deus e não contra eu ou você (Sl 51.4). O perdão que interessa é o de Deus e não o meu ou o seu. Não se coloque na posição de “liberar perdão” pois acredite, não interessa realmente o nosso perdão, pois existe um Deus e ele não sou e nem você. Edward Alexander Crowley (1875 – 1947/Inglaterra), mais conhecido como, Aleister Crowleyé, fundou o movimento Thelêmico no sul da Itália. Ele teve no Brasil um expoente de suas ideias, o baiano, Raul Seixas.  Crowleyé, sem dúvida foi o maior expoente do ocultismo do sec. XX e suas ideias foram rapidamente propagadas pelo mundo. O livro da lei, repetida por “Rauzito” em algumas canções, foi seu best seller vendendo em pouco tempo mais de 4 milhões de exemplares em todo o mundo. Raul diz em sua canção A lei (1988 – álbum: A Pedra do Gênesis) ou ainda Sociedade alternativa (1974 – álbum: Gita) que “não existe deus senão o próprio homem”. No fundo Scar querendo assumir a força o lugar do Rei, se parece muito com todos nós querendo vilipendiar um lugar inalcançável.

UM MUNDO COLORIDO

A história segue e ainda garoto, Simba tinha uma grande ilusão do que seria seu reinado. Ele parecia viver num mundo colorido, um mundo de ilusão. Bem diferente de jesus que aos doze anos de idade sabia exatamente seu proposito e com certeza tinha uma visão de reinado diferente de Simba (Lc 2.49). Uma ilusão natural inclusive, para alguém que nasceu no palácio, debaixo dos cuidados do rei. Simba desenha um mundo colorido na sua imaginação, cantando sua insanidade. Uma vida sem problemas é o que ele mais quer. Pedro diz que importa sermos aprovados na Fé através de várias tribulações (1Pe 1.6-7) e Tiago igualmente falando a judeus perseguidos, diz que devemos ter em consideração “toda alegria (Tg 1.2 - ARA)” quando passamos por problemas para que perseveremos em paciência e sabedoria de nosso Senhor (Tg 1.2). Jesus diz pouco antes da paixão no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo. João 16:33b”. A vida não é uma equação de matemática onde se computa:

(x) Fé+ (y) Oração: (z) Vida sem problemas.

A confusa opinião de Simba é a opinião de muita gente. Quando o mundo lhe impropera as dores da realidade, não são poucos os murmuradores que desanimam na fé, pois lhes foram prometidos um mundo de fantasia: “venha conosco e será feliz!”. Este mundo é complexo e nossos problemas possuem muitas fontes: nosso pecado, os outros, satanás, circunstâncias…A história de Jó da outro viés inclusive. Já pensou se Jó fosse em um culto de libertação para expulsar de sua vida o causador de seus problemas? Confiemos em Deus e nos seus propósitos. Satanás não pode fazer o que ele quer. E nem tem poder ilimitado em nossas vidas. Como Lutero disse: “até o diabo é o diabo de Deus!”. Confie na proteção e em sua misericórdia pois Deus tem um cuidado especial por nós. No meio de bilhões de sóis, milhões de galáxias e constelações, Davi se indaga espantado, faça a mesma oração: “Afinal, quem é o homem para que te lembres dele? (Sl 8:4-5a)”

A ESCOLA NO DESERTO

Os dois, Simba e Jesus, vão para o deserto naturalmente para aprenderem algumas lições. Simba aprende um conceito que alguns cristãos já o sabem...ram,ram,ram, repita comigo: HAKUNA MATATA! Hakuna Matata é uma frase em uma língua falada no Quênia (África Central). A expressão com o sentido de "ok", ou "sem problemas". Na verdade é apenas explicar o que o pequeno Simba já acreditava. A velha vida de ser feliz a qualquer custo, minha alegria, minhas vontades, minha benção, meu milagre, parece que tenho visto muita gente que sempre que abre a boca para fazer uma oração ele diz trocando em miúdos: "Hatuna Matata". Naturalmente o rabino da galileia ensina-nos outro conceito bem longe do "Hatuna Matata". No deserto perseguido por satanás, Jesus diz que “nem só de alegrias (pão) viverá o homem mas de toda providencia divina (palavra que procede de Deus) (Mt 4.4)”, não foi com estas palavras mas foi isto que ele disse. Fabio Jr., o ator e cantor, tem uma música bem "Hatuna Matata":

"o que eu quero desta vida é ser feliz, e eu não abro mão, nem por você nem por ninguém, não me desfaço dos meus planos... 20 e poucos anos - Fábio Jr."

Na verdade nesta vida sabemos que algumas de nossas vontades são ilícitas e não nos convém. Por exemplo, vale por pouco tempo de “prazer” (adultério) destruir um casamento? Ou por uma oportunidade de nos elevarmos na empresa, fazer o que for preciso para conseguir aquela promoção? Tudo aquilo que não temos coragem de contar a ninguém o que fizemos, são estes os motivos para não fazê-lo (Immanuel Kant – 1724/1804). Esta vida de ser feliz a qualquer custo, é uma vida sem limites. Eleve este conceito um pouco mais e verá um ditador como Hitler que para cumprir sua vontade matou quase 50 milhões de pessoas. Os Cristãos para retomar a terra prometida fizeram mais terror e guerra (As Cruzadas). Mao Tse-Tung matou quase 70 milhões de pessoas. Fidel Castro em Cuba, fuzilou mais pessoas do que a Santa Inquisição em quatro séculos. Esta vida sem limites é uma vida “sem vergonha”. Aquilo que não temos coragem de contar a ninguém o que fizemos, são estes os motivos para não fazê-lo. Em alguns momentos dizemos: “se eu fizer isto o que vai pensar a minha mãe?” É porque a Mãe é o último reduto que você não quer que fique com vergonha por ter te parido. No fim, não envergonhemos o autor da vida, do cosmos, de tudo que existe. Como Jesus mesmo disse: “Pois, que aproveitaria ao homem ganhar todo o mundo e perder a sua alma? Mc 8:36”

PROVOCAÇÕES FILOSÓFICAS

Rafique o religioso que batizou Simba quando bebê, numa das provocações filosóficas mais intrigantes do filme, ele dá uma paulada na cabeça de Simba. E Simba indignado reclama da paulada e Rafique diz que não interessa sua queixa ou sua dor, pois ficou no passado. Você concorda? Algumas dores e magoas ficam no passado, mas suas marcas e feridas doem tanto quanto no dia em que você a sentiu pela primeira vez. Neste momento reconhecemos o quanto somos pequeninos. Como se livrar da dor? Como optar por esquece-la? Como escolher não sentir mais a dor? Como escolher nossos gostos e nossos desgostos? Olhando por um ponto de vista mais humilhado, percebemos nossa total ingerência sobre nossa vida.  Neste momento nos desfragmentamos e parecemos um mero expectador de nós mesmos. Parecendo uma “alma penada” a tentar dar palpites inóspitos, insípidos e sem eco sobre nós mesmos. Nosso pecado tem em qualquer tempo perdão e desaparece “das vistas” de Deus por nosso arrependimento. Mas se está no passado e portanto já passou, como se livrar “Hó Grande Homem”, de suas consequências?!?!?!? Mas Rafique vai além e tenta dar outra paulada em Simba e ele se esquiva, mas, apenas se esquiva pois conhecia a dor de uma cacetada! Quanto é pratica a carta de Tiago, irmão de Jesus, que resume o sermão do monte (Mt 5-7) e diz:

“Meus irmãos, tende grande gozo quando cairdes em várias tentações; Sabendo que a prova da vossa fé opera a paciência. (Tg 1:2-3)”

Simba sabe o que tem de ser feito. Mas teme pois tem de enfrentar seu passado. Isso dói muito mais que uma cacetada. Em suas palavras: “eu tenho fugido dele a tanto tempo!”. Se você está fugindo de seu passado, fez ou talvez ainda está fazendo algo de errado, algo que você tenha vergonha de estar fazendo, algo que envergonhe seu criador, se arrependa hoje! A hora é agora! Não adianta correr do pecado, ele tem pernas fortes e vai pegar você. Muito mais que isso ele vai te matar. O pecado é o maior genocida do mundo. Maior que Stalin, Hitler, Fidel, Mao Tse-tung juntos. Compute e verá como Paulo diz, que o salário do pecado é a morte (Rm 6.23). E veja que todas as pessoas de todos os tempos morrem. Advinha quem está matando? Cuide para que você com suas atitudes sem vergonhas não alcance somente a morte física como prêmio, mas a morte eterna, pois ali haverá choro e ranger de dentes eternamente (Mt 13.50).

O MISTÉRIO

Existe uma cena de “mistério” no filme. Simba se encontra com Rafique e ele o leva para conhecer um lago e promete encontrar com seu pai. Para mim, a cena mais fantástica e emocionante do filme. Mufasa em meio a uma nuvem densa, escura e em relâmpagos, conversa com seu filho (exatamente com a Shekhinah de Deus). Me lembro de jesus que quando do foi batizado por Joao, Deus rasga o céu e dá um brado de satisfação "Este é meu filho amado em quem me comprazo (2Pe 1.17)". Assim como Rafique que ajudou a revelar seu pai para Simba, as vezes é necessário alguém que nos ajude a revelar a Deus. Deus já foi revelado a você? Assim como na história, você já o viu? Você já o conhece? Eu te digo que em todas as vezes que alguém abre a bíblia para você e te orienta, te admoesta, estão te revelando o próprio Deus. Este momento de revelação é um momento sublime, quem em sã consciência num momento de uma revelação, ficaria disperso num momento destes? Apenas quem não sabe o que está acontecendo. De forma que nesta revelação, aprendemos tanto que isto passa a fazer parte de nós mesmos. Rafique mostra o lago para o Simba e decepcionado ele vê apenas o seu reflexo. Mas ao olhar com um pouco mais de calma ele vê a imagem de seu pai...Rafique faz a declaração espantosa, VEJA SIMBA, ELE VIVE EM VOCÊ! Quem foi alcançado pela graça de Deus e foi Regenerado e Justificado, o Apostolo Paulo diz que “já não sou eu quem vive mas Cristo vive em mim (Gl 2.20)”. ALELUIAS!

DEUS QUE SE ENTREGA

Por fim o que ainda permanece dessa história é que Mufasa em tantas situações salvou a vida de seu filho e muito mais que isso, seu amor não tinha limites para salvar a vida de seu filho. Ele se entrega em seu lugar, doa a vida pelo seu. Que história confusa. Mufasa morre para que seu filho Simba possa assumir seu reinado. Na verdade o evangelho é muito confuso. É a história de um Deus que morre numa cruz, para que o mesmo Deus possa ser Rei, Senhor e Cristo. Na verdade esta morte nos trouxe Vida, Salvação, Esperança e redenção.

Simba enfrenta Scar, assim como Jesus enfrentou a cruz, recebeu em si mesmo a justa condenação de Deus por nossos pecados, mas a morte não o pode segurar. Não cremos apenas naquele que foi morto e se fez maldito numa cruz (Gl 3), mas também naquele que ao terceiro dia ressuscitou e se assentou em seu trono eterno a destra de Deus pai. Esta história, apesar de confusa, é uma história fantástica, a história da redenção. Que possui todos os personagens. Deus (Mufasa) que tem em seu filho o futuro Rei. Satanás (Scar) desde o começo tentando pôr fim neste inevitável desfecho (Gn 3.15). Jesus (Simba), filho de Deus e futuro Rei (Cl 1.15-17). E naturalmente o seu povo (reino animal), que do começo ao fim, pela graça de Deus, permanece em reverencia, prostrado, reconhecendo o absoluto senhorio do Rei dos Reis (Ap 6.19). Aleluia!

PEDRO FERNANDES 03/08/2014











terça-feira, 8 de julho de 2014

O FILHO PRÓDIGO



Jesus nos surpreende em todos os aspectos. Ele nos oferece um caminho surpreendente (Jo 14.6), se apresenta como nosso bom pastor (Jo 10), como médico dos médicos (Mt 9.12), não apenas surpreendentemente sábio mas é a própria sabedoria personificada (Jo 1.14) e além de todos outros, o que nos chama atenção em todos os relatos nos evangelhos é sua extrema habilidade de comunicação (Mt 4.17). Quando ele quis falar sobre a influência da igreja no mundo ele não fez um longo discurso, ele disse “vos sois o sal da terra e a luz do mundo (Mt 5.13)”. Quando quis assegurar os seus discípulos sobre os perigos do mal ele disse “um pouquinho de fermento leveda a massa inteira (Mt 16.6)”. Ao repreender a vida ansiosa que alguns poderiam levar, apontou e disse: “observai as aves do céu: não semeiam, nem colhem, contudo, vosso Pai celeste as sustenta (Mt 6.26)”. Pregando sobre a importância da santificação, visto a iminência de sua vinda, contou uma pequena história de “dez virgens (Mt 25.1-13)” e todos o compreenderam. Sobre seu maior mistério, revelando a importância do perdão ao próximo, nos deixou atemorizados com uma medonha história dos “dois devedores (Mt 18.23-35)” ou conhecida também como “a parábola do credor incompassivo” digna sem dúvida de hollywood. Jesus pregava para os publicanos e pecadores, uma classe bem mal quista pelos religiosos (Lc 3.12), e ao fim, se reúne para uma refeição com aqueles. É nesta hora que os fariseus e escribas se indignam contra Jesus pois naquela cultura, sentar-se à mesa com alguém é sinal de grande intimidade entre as partes (o que deixa muito mais escandaloso a traição de Judas Escariotes, pois pouco antes de trair o mestre, eles se assentaram a mesa juntos – Lc 22.21). Os fariseus sem entrar na casa em que acontecia a refeição, mas ficando da porta para fora, acusa Jesus de ter comunhão com os pecadores (Lc 15.2; At 11.3; Gl 2.12). Jesus conta três parábolas para confronta-los e temos na última delas, a famosa parábola do “filho pródigo (Lc 15.11-32)”.

Na parábola do “Filho Pródigo”, temos alguns fatores que merecem atenção:

1° - TITULO SEM FUNDAMENTO

a)       O título da parábola não faz menor justiça ao texto. A palavra “Pai” aparece no texto 12 vezes, e indiretamente mais 2, Jesus é bastante repetitivo procurando incomodar propositalmente o ouvinte. O centro da parábola é o Pai misericordioso que busca o filho pecador, portanto o que de mais “pródigo” temos na história é o amor incondicional do Pai.

2° - DEUS BUSCA A OVELHA PERDIDA

b)      Existia uma prescrição rabínica de que “não se associassem com os pecadores”. Os rabinos nem sequer ensinavam tais pessoas. Até acreditavam que Deus recebia os pecadores arrependidos. Mas nesta parábola de maneira surpreendente Jesus parece gritar que Deus não somente aceita o pecador arrependido, mas também vai em busca dele em seus caminhos tortuosos, assim como a ovelha perdida sem nenhuma chance de sobrevivência: “porque pela graça sois salvos, pela fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus, não por obras, para que ninguém se glorie!" (Ef 2.8-10).

3° - HISTÓRIA SEM FIM...

c)       A História como sabemos, termina meio que sem um final. A história termina com o Pai fazendo um pedido para o filho mais velho, tentando convencer-lo a participar da festa que ele mesmo preparou. E não sabemos o fim. Os ouvintes da história talvez perguntaram: “mas e o final? Como acaba? ”.

NEM TUDO SAI COMO PLANEJAMOS!

A verdade é que planejamos nossa vida em detalhes, criamos expectativas, sonhamos e criamos um mundo de maravilhas, mas, infelizmente nem tudo sai como planejamos. Todo pai, por exemplo, cria seu filho com muita expectativa acerca de seu futuro, seu primeiro emprego, primeiro amor, suas futuras decisões... E uma verdade que todo pai parece ignorar é que criamos nossos filhos para que um dia eles possam sair de casa, de perto de nossos cuidados e possam trilhar seus caminhos no mundo com suas próprias pernas. Assim como Moisés que foi criado por sua mãe biológica sabendo que em certo tempo, ele seria entregue para viver no Egito (Ex 2.7-10). Mas parece que nesta família aquilo que em certo tempo deveria acontecer de forma natural, explode em tempo errado, da maneira errada e com os propósitos errados.

Leitura:

“Continuou: Certo homem tinha dois filhos; o mais moço deles disse ao pai: Pai, dá-me a parte dos bens que me cabe. E ele lhes repartiu os haveres.”

DOIS PECADORES

Nestes dois filhos temos dois exemplos de pecadores que retrata talvez todos nós que servimos a Deus. Um mais incrustado, que peca escondido, o famoso que “bate e esconde a mão” e outro mais escancarado que peca sem “medo de ser feliz”. Comprometido demais com o pecado para se importar com suas trágicas consequências. É este último que certo dia, faz ao Pai este estranhíssimo pedido de receber a herança em vida. É como se ele estivesse dizendo ao Pai que “não me importo com você e o prefiro morto! ”. Em nossos dias nos soa amedrontador, imagine naquela cultura patriarcal que essa ofensa para aquele Pai seria uma ofensa sentida por toda a tribo. Todos na comunidade sentiriam aquela ofensa como pessoal. A questão do pedido da herança é notícia de telejornal: “EXTRA! EXTRA! filho pede herança a seu Pai em vida”. E o mais surpreendente é que o Pai parece acatar e reparte entre os dois filhos a herança. Uma família em decadência, uma baderna total.

O MAIS VELHO...

O filho mais velho, mais conhecido como primogênito, teria o papel de exortar seu irmão pela catástrofe que ele criou naquela família. O primogênito naquela cultura, na repartição ficaria com o dobro da parte que lhe cabe na herança. Assim como Eliseu que pediu uma porção dobrado do espírito de Elias (2Rs 2.9), não para fazer sinais dobrados, poder dobrado, mas, querendo apresentar uma espécie de “primogenitude ministerial”, em outras palavras queria ser o sucessor de Elias. Talvez seja este o motivo do silencio do irmão mais velho, ganancia! Por mais escondido que este pecador se mova, não se engane, ele também recebeu sua parte da herança (v. 12), beneficiado pela atitude de seu irmão. Esta bagunça em nossas famílias se deve muito a falta de compromisso com nossos papeis dentro de casa.
Temos uma total inversão de funções dentro dos lares. Pais omissos, mulheres insubmissas que enfrentam de igual seu marido. Filhos que enfrentam os pais, não escutam exortações e pouco se importam com seu próximo. Ninguém naquele primeiro planejamento sonhou com uma família assim, pensou?

PORTANTO, FAÇA O POSSIVEL HOJE!

Faça o que puder para manter ou salvar sua família hoje. Plante o melhor hoje para não chorar amargamente amanhã. Ninguém colhe bom fruto plantando espinho. Em uma família que gostavam de se reunir sempre para jantar, tinha um velho muito idoso com mal de Parkinson e sempre deixava a colher cair da mão, se pegasse um suco derramava na mesa, era sempre um desastre se reunir para a refeição. O pai irritado decidiu tirá-lo da mesa nas refeições pois sempre aconteciam as mesmas trapalhadas. Colocou o vovô para comer no chão para que não mais atrapalhasse. Porém ainda sim o velho quebrava os pratos de louça, pois por mais que tentasse não conseguia controlar bem seus movimentos. O Pai resolve confeccionar um prato de madeira para que o vovô não quebrasse. Ele mesmo o fabricou. Muito triste o velho ficou, pois ele tinha sido privado de participar do momento mais fantástico de comunhão naquela família que ele tanto amava. Seu netinho começou a ajuntar alguns pedaços de madeira e ficou em um canto sozinho. O pai vendo seu filho triste num canto foi perguntar o que ele estava fazendo. O Pai diz: “meu filho o que você está fazendo?” Então o filho responde: “papai eu estou fabricando um prato de madeira, igual ao do vovô. Quando você ficar velho eu vou dar um para o senhor também...” Faça o possível hoje. Plante as mais belas sementes mesmo se o solo não parecer fértil, pois quem cuida para que a semente cresce não é quem planta, ou nas palavras de Paulo: “Por isso, nem o que planta é alguma coisa, nem o que rega, mas Deus, que dá o crescimento. 1 Cor 3:7”

Leitura:

“Passados não muitos dias, o filho mais moço, ajuntando tudo o que era seu, partiu para uma terra distante e lá dissipou todos os seus bens, vivendo dissolutamente.
Depois de ter consumido tudo, sobreveio àquele país uma grande fome, e ele começou a passar necessidade.Então, ele foi e se agregou a um dos cidadãos daquela terra, e este o mandou para os seus campos a guardar porcos.
Ali, desejava ele fartar-se das alfarrobas que os porcos comiam; mas ninguém lhe dava nada.”

O PECADO DO PECADOR

Quando o filho mais moço sai de casa prosseguimos com ele na história e deixamos o Pai de lado. Mas até na hora do desespero aprendemos com a postura do Pai, pois ele não fecha a porta da reconciliação. Até na hora do desespero precisamos ter calma e tomar a melhor atitude possível, ou então, esperar que nos acalmemos para que possamos agir tranquilamente. O fato é que este filho vai para longe e começa a viver irresponsavelmente. Sem se preocupar com o dia de amanhã. Não necessariamente ele se envolveu com prostitutas e bebidas como o seu irmão o acusará mais tarde (Lc 15.30). Como qualquer um comprometido com o pecado a este nível, seu destino é o fundo do posso. Logo o filho mais novo chega ao ponto de ter que cuidar de porcos, o que para um judeu, é um sacrilégio. É como se víssemos uma mulher de alta classe tendo de mexer diariamente com baratas, ou coisa do gênero. Ele talvez olhasse o porco se mexendo, o som de seus passos, seu mau cheiro, seu grunhido. Infelizmente toda ação produz uma reação. Nossos atos pecaminosos que cometemos, produzem consequências terríveis. NÃO, O PECADO NÃO É BOM. Ele destrói famílias, casamentos, relacionamentos entre filhos, pais, amigos... O texto diz que ele chegou a mendigar pois “ninguém lhe dava nada (v. 16)”. Chega a desejar comer alfarrobas que é uma fruta ruim, mas em épocas de escassez de comida, principalmente no deserto é o único alimento disponível. Alguns estudiosos dizem que o fruto da alfarrobeira é conhecida no deserto por “gafanhoto” e talvez seja este fruto que João Batista comia no deserto simbolizando que Israel passava por um período de “escassez espiritual”. O nosso pecador escancarado se meteu em uma enrascada. Lembre-se, suas atitudes vão dizer quem você é! Quando pegarem o álbum de sua família e olharem sua foto o que elas vão comentar sobre você? Qual adjetivo vão colocar depois do seu nome?

Leitura:

“Então, caindo em si, disse: Quantos trabalhadores de meu pai têm pão com fartura, e eu aqui morro de fome! Levantar-me-ei, e irei ter com o meu pai, e lhe direi: Pai, pequei contra o céu e diante de ti; já não sou digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus trabalhadores.”

O ARREPENDIMENTO DO PARAGUAI

Neste ponto é preciso desfazer uma confusão. A história parece mudar de rumo. Muitos lendo estes versos dizem “Ufa!”, enfim ele se arrependeu. Mas sua motivação não é bem essa. “caindo em si”, era bastante utilizado para arrependimento para os judeus. Mas não é o arrependimento esperado por Deus. É relativo ao que usamos hoje por remorso. É como o rapaz que comprou um carro e se arrependeu. Chateado, aborrecido, com remorso, disse: “como é que eu fui fazer uma coisas dessas”. Como Judas que sentiu um grande “remorso” depois de trair Jesus, mas não se arrependeu (Mt 27.3).
Quando ele pensa em sua estratégia já tem em mente que nunca mais vai poder ser filho de seu pai. Ele sabe o que fez, e que foi algo muito grave, por mais triste que esteja ele não se arrepende, mas sente apenas remorso. As vezes pessoas em situações adversas se voltam para Deus não porque estão arrependidos mas para garantir o pão, o básico, “pelo menos o feijão e a farinha o Senhor garante”. Mas se você está passando por isso, pensando que o que você fez foi muito grave, ou que não tem mais jeito, ou que será impossível Deus te perdoar deste pecado, te diria que: “onde abundou o pecado, superabundou a graça (Rm 5.20)”. Por mais que o seu pecado tenha sido grave, gravíssimo, por mais que o pecado tenha enchido até o limite, a graça de Deus sempre irá transbordar.

Leitura:

“E, levantando-se, foi para seu pai. Vinha ele ainda longe, quando seu pai o avistou, e, compadecido dele, correndo, o abraçou, e beijou.
E o filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e diante de ti; já não sou digno de ser chamado teu filho.O pai, porém, disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa, vesti-o, ponde-lhe um anel no dedo e sandálias nos pés;
Trazei também e matai o novilho cevado. Comamos e regozijemo-nos,
Porque este meu filho estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado. E começaram a regozijar-se.”

ENFIM O PAI...

Como o pai o viu de longe? Possivelmente moravam em uma pequena aldeia na palestina. Uma cidade como as outras, murada, com apenas um portão, onde ficavam as sentinelas, atalaias, juízes, as pessoas mais importantes e se o rapaz chegasse naquele lugar não teria a mínima chance de sobrevivência. O crime que ele cometeu é simplesmente imperdoável para os cidadãos. Possivelmente o Pai ansioso pelo regresso do filho, fitava sempre os olhos naqueles portões a ponto de ficar mais atento do que os atalaias.
Em vista do filho, Jesus diz que o pai saiu correndo. É importante dizer que para aquela cultura um senhor correndo era motivo de muita vergonha. Imagina o presidente de um banco, chega na empresa na maior carreira. O que nos parece? Incoerente com sua posição. Correndo o Pai passa a maior vergonha por causa da besteira que seu filho faz. Você se afastou de Deus, fez as maiores besteiras e por causa disto, Deus passou a maior vergonha por causa de você. PORQUE ELE AMA VOCÊ. Por maior que seja o seu pecado lembre-se, Deus passou a maior vergonha por você. E muito mais que isso! Ele nos abraça e nos beija. Por que esta ordem é importante? Por que na posição do abraço, qual o único lugar que se pode beijar? No rosto é claro. Portanto o Pai com esta atitude está dizendo a todos que além de nos receber ele nos redime e nos trata como igual, nos restaura a nossa dignidade. Nas palavras do próprio Jesus: “Eu vim para vos dar vida e vida em abundancia (Jo 10.10). O próximo verso fala sobre essa restauração.

PLENA RESTAURAÇÃO DA GRAÇA DEUS

O pai interrompe o discurso programado do filho e pede os servos a “melhor roupa”, que roupa? A do próprio pai. “Anel” é o cartão de Crédito. Coloquem “sandálias” nele. Todo servo andava descalço. Portanto pedir que os servos o calçasse era colocar em posição de honra. Lembra de João Batista que diz que não era digno de atar as sandálias de Jesus (Mc 1.7)? Era o sinal máximo de submissão. E Jesus nos dá outro baque surpreendente no lava pés (Jo 13), que nos dá o exemplo máximo de servidão, de classe tão baixa que Pedro se nega a deixar que Jesus lave seus pés.

CHURRASCÃO DE BOAS VINDAS

Existiam dois tipos de festas. Matar um carneirinho ou uma cabra, seria uma festa apenas para os familiares mais próximos. O tipo de festa que o pai decide fazer é para a cidade inteira. Tragam o novilho gordo e vamos nos alegrar. As fofocas na cidade, “aquele menino doido que saiu voltou e o pai corredor vai fazer o maior churrasco”. Vamos lá ver que no mínimo a gente come um pouco de carne. Porém nesta festa está faltando alguém. Naturalmente todos na festa esperavam o filho mais velho. É como esperar em um casamento a noiva. Por onde anda este menino?

Leitura:

“Ora, o filho mais velho estivera no campo; e, quando voltava, ao aproximar-se da casa, ouviu a música e as danças.
Chamou um dos criados e perguntou-lhe que era aquilo.
E ele informou: Veio teu irmão, e teu pai mandou matar o novilho cevado, porque o recuperou com saúde.Ele se indignou e não queria entrar; saindo, porém, o pai, procurava conciliá-lo.
Mas ele respondeu a seu pai: Há tantos anos que te sirvo sem jamais transgredir uma ordem tua, e nunca me deste um cabrito sequer para alegrar-me com os meus amigos;
vindo, porém, esse teu filho, que desperdiçou os teus bens com meretrizes, tu mandaste matar para ele o novilho cevado.
Então, lhe respondeu o pai: Meu filho, tu sempre estás comigo; tudo o que é meu é teu.
Entretanto, era preciso que nos regozijássemos e nos alegrássemos, porque esse teu irmão estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado.”

O FILHO MAIS VELHO

Chegamos ao fim desta história e agora é a hora do pecador comportado se revelar. Ele diz “olha" (NVI). Isto é impensável. Uma tremenda falta de respeito, consideração e insubmissão. Não diz “meu pai”, ele vai direto ao assunto e mostra seus verdadeiros interesses. Por traz de suas palavras está sua auto justiça. "Sou muito bom, faço minha oração de noite, sou um santo e o senhor não me dá o que mereço". Recebeu o dobro e ainda não se dá por satisfeito e não consegue ser uma pessoa grata. Chega a dizer que gostaria pelo menos uma daquelas festinhas menores, para se divertir com quem? Com os outros, com os de fora, pois não me sinto seu filho. É a síndrome de quem só enxerga os defeitos dos outros e se sente intocável. É como aquela mulher que ficava sempre dizendo que sua vizinha não sabia lavar roupa porque ela sempre estendia as roupas sujas no varal. Até que indignado seu esposo levantou um dia mais cedo e lavou a sua vidraça e a mulher percebeu que o que estava sujo era seus vidros e não a roupa da vizinha. As vezes usamos estas mesmas lentes para enxergar o mundo. Sempre criticando as obras dos outros, criticando os defeitos dos outros, somos capazes de perceber um cisco no olho alheio, e como Jesus nos ensina, somos hipócritas, pois não tiramos a trave que está no nosso (Mt 7.5).
O filho mais velho lucrava mais com a desobediência do seu irmão do que com seus acertos. Existem pessoas que mesmo sem lucrar nada com o fracasso de seu irmão se alegram quando alguém se dá mal. O sangue do filho mais velho corre na veia de todos os pecadores hipócritas com síndrome de santidade. O sangue dele corre nas nossas veias, estamos debaixo de sua pele, o nosso DNA é o DNA do filho mais velho...

DE JESUS PARA OS FARISEUS...

E como dito no começo, a história termina sem um fim. Terminamos o texto com o filho do lado de fora e o Pai tentando leva-lo a participar daquele banquete. E o surpreendente desta história é exatamente o cenário em que Jesus contou esta parábola. Jesus comendo com os pecadores, e os fariseus do lado de fora criticando e fazendo o papel do filho mais velho. O final desta história é justamente para que nós a terminemos com nossa escolha. Que papel queremos viver em nossas vidas? Ficar junto dos fariseus do lado de fora da festa criticando e se recusando a se alegrar com o regresso do filho mais novo? Do lado dos que se recusam a se alegrar com o arrependimento de mais um pecador que regressa a casa do Pai? Dos que se acham santo demais para enxergar um arrependimento sincero? As vezes todos nos passamos pelas garras do pecado. Somos tragados em nossas próprias paixões e nos deixamos levar pelas circunstancias e não faltam os santos que não cooperam para a salvação das ovelhas perdidas, mas ainda querem colocar condições para a escandalosa graça de Deus (Pai). Qual sua escolha? Quer ser o filho mais velho ou o mais moço?


PEDRO FERNANDES