segunda-feira, 27 de abril de 2015

LENDO A MAMÃE...



Vou pela “Semiótica”. O que é semiótica? É a visão significada que alguém tem sobre as coisas, fatos, pessoas. De novo em outras palavras, semiótica é a perspectiva subjetiva da realidade. É a interpretação que o sujeito tem do mundo. Difícil de entender né? Vou explicar com um exemplo.

Quando fui tomando consciência de que eu existia comecei a chamar uma pessoa de “mamãe”. Isso mesmo, antes eu não existia, no sentido de que eu não conseguia discernir que eu estava aqui no mundo (pausar e perguntar para uma criança: você existe?). Ela me ensinou a me comportar dentro da existência, foi essa pessoa que eu insistia em chamar de mãe. Ensinou-me a não por a chupeta no vaso e em seguida na boca. Ensinou-me que tem que tomar banho uma pessoa de cada vez. Mostrou-me como ir ao mercado sem levar tudo, pegando somente o que for pagar ou somente o planejado. Dessas coisas não me lembro, apenas me contaram com um tom de trauma e choro na voz.

Mas tarde, quando eu já tinha mais razão, me ensinou a sabedoria de se relacionar com as pessoas sem magoar, ter misericórdia e compaixão do sofrimento alheio e respeitar a todos. Então veio a grande lição: a de se adaptar. Quando a vida te der um susto e arrancar parte de você, temos que aprender a nos adaptarmos. Disse-me que na hora da dor, temos que chorar mesmo. Se for para sofrer, sofra com toda a sua força. Mas no outro dia se levante do chão porque existem dois meninos que depende de você. E a partir de agora você tem que ser uma metamorfose ambulante. Agora tem que ser Pai e Mãe de uma vez só. Mesmo doendo, trave os dentes; feche as mãos; aperte os olhos e vai tomar um banho, lavar a louça e receber visitas na sala. Uai! Tanta força para tarefas tão simples?! É mas de dentro do sofrimento ela disse que a única vontade que você tem é de não existir mais. Assim, ela me ensinou a sofrer.

E as pessoas que vem visitar são irmãs, sobrinhos, amigos. Que também tem uma visão semiótica dessa pessoa, que para mim era mamãe. Para vocês é tia. Para um é esposa. Para outro, amiga irmã. Então começo a entender que semiótica é uma significação que cada um dá as coisas. Quem é Sandra Fernandes Costa para você? Qual a sua visão em relação a essa pessoa tão extraordinária? Quais as suas experiências com essa pessoa? Como você foi abençoado por ela? Para mim ela é o máximo, inteligente, bonita, santa, o máximo. Entretanto algumas pessoas veem esta mesma pessoa como soberba e metida. Como pode? Será que agente consegue ter a visão correta sobre ela? Será que eu não sou influenciado por uma paixão instintiva maternal e isso me impede de ter uma visão real dos seus defeitos? Será que ela é isso tudo que eu acho que é?

Bom, agora me senti como o salmista perguntando “Senhor, quem pode perceber os seus próprios erros?” (Sl 19:12). Aqui entra o divisor de aguas. Porque minha mãe não me ensinou a Palavra de Deus durante a minha vida. Não na teoria. Mas o sumo da palavra de Deus é pratica: “Aquele que ama, conhece a Deus, porque Deus é amor” (1 Jo 4:8). Então, sem citar um versículo da bíblia minha mãe me mostrou ao longo de 24 anos sobre a essência de Deus: o amor. E num certo dia Esse mesmo Deus se manifestou a mim e me deu um dom. Conhecer a Palavra de Deus. Jesus de Nazaré hoje para mim é o meu Deus, a única razão verdadeira de existir. E agora não dependo mais do meu “coração, que é enganoso e perverso, mais que todas as coisas e que ninguém o pode conhecer” (Jr 17:9). Hoje posso olhar para minha mãe e para a bíblia e comparar para saber se ela realmente é “tudo isso” que eu sempre achei.

A bíblia diz que a beleza da mulher não está no seu vestuário, embora minha mãe se vista como uma TOP MODEL. A beleza da mulher não está na sua aparência, embora minha mãe seja bela como Giselle BINTCHI. A beleza não está na sua intelectualidade, embora minha mãe seja inteligente como AINSTEIM. Mas a beleza da mulher está na virtude. No ser interior. A mulher virtuosa é aquela que quando ela age, todos conseguem ver Deus nas suas obras. A tia Sandra é uma peça estratégica no xadrez. Se você está com um problema no coração do Amazonas, o pneu do Jipe furou. Você pega seu telefone, vê que só tem bateria para uma ultima ligação. QUAL O NÚMERO QUE VOCÊ LIGA?!?! (...) 99585756. Que confiança ela transmite! Que credibilidade! Quanta disposição em limpar um velhinho desconhecido num hospital qualquer. Isso realmente é a beleza que todos nós, filhos, irmãos, sobrinhos, amigos, esposo, conseguem ver quando essa pessoa age.

Semiótica é o significado que damos ao mundo. Tá vendo, já ficou mais fácil entender que quando olhamos as coisas imprimimos sentimentos e conceitos do nosso coração nestas coisas. Temperamos o mundo com um olhar generoso. Ou azedamos tudo e todos com um olhar de amargura. E que a bíblia também tem uma leitura sobre você. Ela diz que existem filhos de Deus que praticam o amor, e que existem filhos do Diabo que não amam ao próximo, nem a Deus. Hoje, eu posso ler minha mãe com uma semiótica da Bíblia e dizer: Ela realmente é tudo isso que eu sempre achei que ela fosse!


Graças a Deus!